Artesanato Da Santa Ceia

Talvez a tela na qual é retrada a Última Ceia de Cristo, também chama de Santa Ceia, seja o afresco mais famoso de que se tem notícia. Ele foi pintado por Leonardo da Vinci, para ornar a igreja de Duque Lodovico Sforza, seu protetor.

Ele traz a representação da cena da última ceia feita por Jesus e seus apóstolos, pouco antes de ser preso e posteriormente crucificado, de acordo com descrição bíblica. Por sua beleza e história, e uma das maiores peças tendo valor em todo o mundo.

O afresco está no convento de Santa Maria delle Grazie, na cidade de Milão, Itália, local que o Duque mandou erguer para que fosse usado como lugar de sepultamento de sua família.

Leonardo da Vinci passou por longos três anos dando atenção exclusiva à pintura, fato até raro, visto que o pintor ainda tinha muitos outros talentos e afazeres.

Possibilidades Da Santa Ceia

Atualmente o afresco da Santa Ceia pode ser visto nos mais diversos lugares e ainda em situação inusitadas, como em relógios de parede, toalhas de mesa, tabuleiros e muitos outros. Isso em razão da beleza e ainda da fama que o quadro garantiu através dos séculos.

Para ilustrar melhor o caso, e apontar uma forma artesanal de se conseguir retratar a Santa Ceia, vamos mostrar um passo a passo para que se possa pintar uma tela com a gravura mais famosa do mundo, depois da Monalisa, também de Da Vinci.

Aprenda a Pintar a Santa Ceia – Passo a Passo

  1. Primeiro, pegue uma tela com o tamanho que seja de sua preferência e passe a esboçar os apóstolos e ainda a figura central, Jesus Cristo usando a cor “terra de siena natural” que não atrapalhará em nada a pintura, como também o desenvolvimento de nenhum detalhe. Comece a pintura a partir do primeiro apóstolo que está à direita de Jesus. A técnica a ser usada é bastante simples, é preciso que se escolha um tom de pele como plano de fundo e devagar vá trazendo a luz e sombra com outra coloração mais clara e depois a escura respectivamente. Para trazer uma maior naturalidade à pintura, ponha um tom avermelhado bem nas maçãs do rosto. Esse detalhe ainda pode refletir a luz como se fosse conseguida a partir do fogo, como era feito a época. 
  2. Preste atenção que as figuras não precisam de camadas e mais camadas de tinta quando se habitua aos efeitos de sombra e luz. Observe que cada falange dos dedos tem uma tonalidade diferente de cor acinzentada, isso auxilia na percepção de que a mão do apóstolo dobrada sobre peito mostra que ele não teria intenção de trair Jesus.
  3. O melhor é que não se faça a preparação do fundo anteriormente. Fazendo apóstolo por apóstolo. O correto é que se faça primeiro todo o preparo mais escuro do fundo, para que posteriormente se faça as figuras no plano da frente.
  4. Agora é a vez de pintar o traidor. O fundo para essa figura deve ser preparado se usando a cor de pele normal, e então se traça o rosto separado pela linha média, de maneira que o mesmo esteja virado um pouco para a esquerda. A linha central do rosto também deve ser traçada de maneira que acompanhe ligeiramente o desvio. Ilumine um pouco a área do nariz e dos lábios. A mesma tonalidade de sombra do lado esquerdo do rosto deve ser colocada na orbito dos olhos. 
  5. Colocando as marcações de sombra e luz se torna mais simples de se enxergar um rosto. Mas não é necessário se prender a imitar a fotografia, coloque seu próprio tracejo. Sua pincelada irá fluir e acabará lhe conduzindo e lhe apontará onde os detalhes de barba devem estar, assim como a expressão facial, cabelo e sobrancelha.
  6. Da mesma forma deve-se seguir para pintar as demais figuras. Faça uso dos mesmos tons de luminosidade para as diversas cores de roupas, permitindo que o quadro fique mais suave. Desta maneira também se consegue pintar uma cena mais real e fiel à realidade da época Jesus.
  7. Agora é hora de pintar Jesus Cristo, a figura central da cena. A cor correspondente ao tom de pele deve ser usada como primeiro plano, trazendo sombra e luz aos locais determinados. Perceba o tom mais avermelhado refletido no rosto antes de partir para os demais detalhes.
  8. Depois, marque somente a sombra da órbita e também a parte mais volumosa correspondente ao globo ocular, demarcando as áreas limítrofes dos olhos, da mesma maneira o princípio da suavidade no olhar. Dê um início de onde começará barba, cabelo e bigode. Após isso aplique o marrom, com uma mistura de preto e terra de siena natural e queimada. 
  9. As vestimentas também devem seguir a mesma técnica. Sempre pintando um fundo inicial para então demarcar os detalhes e partindo da colocação das cores mais claras para formar a luz e usando as escuras para formar a sombra. É bastante simples!
  10. Conforme for pintando, vá aos poucos colocando o fundo através de básicas pinceladas, que sempre devem ser em cores mais escuras, já a luminosidade do local da cena é feita à base de fogo, que traz pouca iluminação e segue apenas a Cristo e seus apóstolos. Observe que as paredes do local são erguidas de pedra, mas há pouca luz a iluminando.
  11. Observe que cada um dos apóstolos deve ter uma expressão diferenciada, já que a pintura reflete a cena de um momento importante em que Cristo diz que entre eles há um traidor.
  12. Pode-se observar uma mesa baixa e pequena, pois naquele tempo não havia mesas altas, e nem mesmo mesas com toalhas de renda branca ou cadeiras cheias de adornos, bem como cálices de ouro. Coloque na mesa copos que se assemelhem a barro e um simples pão. O mesmo deve ser redondo e semelhante a uma panqueca, pois na época não se costumava usar fermento no pão, apenas farinha e água. 
  13. Vagarosamente seu quadro ficará pronto. Lembre-se sempre que a arte é trabalhosa e de que deve fluir e não busque imitações, tenha seus próprios traços. Tenha bastante calma, concentração e comece a pintar.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Pintura

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *